Primeira cerveja. Primeiro trote. Primeiro amigo. Primeiro amor. Últimas palavras.

Miles Halter estava em busca de um Grande Talvez. Alasca Young queria saber como sair do labirinto. Suas vidas se colidiram na Escola Culver Creek, e nada nunca mais foi o mesmo.

Mas antes, um breve resumo de como tudo aconteceu:

Miles Halter vivia uma vidinha sem graça e sem muitas emoções (ou amizades) na Flórida. Ele tinha um gosto peculiar: memorizar as últimas palavras de grandes personalidades da história. Uma dessas personalidades, François Rabelais, um escritor do século XVI, disse no leito de morte que ia em “busca de um Grande Talvez”. Para não ter que esperar a morte para encontrar seu Grande Talvez, Miles decide fazer as malas e partir. Ele vai para a Escola Culver Creek, um internato no ensolarado Alabama.

Lá, ele conhece Alasca Young. Ela tem em seu livro preferido, O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez, a pergunta para a qual busca incessantemente uma resposta: “Como vou sair desse labirinto?” Inteligente, engraçada, louca e incrivelmente sexy, Alasca vai arrastar Miles para seu labirinto e catapultá-lo sem misericórdia na direção do Grande Talvez. Miles se apaixona por Alasca, mesmo sem entendê-la, mesmo tentando sem sucesso decifrar o enigma indecifrável de seus olhos verde-esmeralda.

Compartilhe

Vencedor do Printz Award, da American Library Association, e estreia de John Green como uma das vozes mais cativantes e inovadoras da ficção contemporânea, Quem é você, Alasca? retrata brilhantemente o impacto indelével que uma vida pode exercer sobre outra.

A edição da Intrínseca conta com a tradução de Edmundo Barreiros e um apêndice com um Guia de Leitura desenvolvido pelo próprio autor na forma de perguntas e respostas.

“Este romance de estreia é uma amostra do talento bruto de John Green, o tipo de talento que faz você chegar à última página do livro como uma pessoa completamente diferente.”
The Guardian

“Superior à maior parte dos títulos da literatura para jovens atualmente em circulação.”
Folha de S.Paulo

“A voz de Green como escritor é tão confiante e honesta que é difícil imaginar que este seja seu primeiro romance publicado.”
VOYA